ItaliaCast #20 | Ora Legale | Passaporte Italiano

Chi troppo vuole nulla stringe.”

Ou seja

Quando si vuole troppo non si ottiene nulla.

Você já parou para pensar quais são as suas prioridades para ser feliz? 

Já parou pra pensar que a vida é feita de escolhas?

Que tal batermos um papo sobre isso hoje? 

ITALIACAST – EPISÓDIO 20

passaporte italiano

Ciaoooooooooooo bimbi belli!

Sim, domingo agora é dia de Italiacast! Atendendo a pedidos!

Porque domingo é dia de coisas boas: dormir até mais tarde, comer na casa da nonna, da família, passear com o cachorro, soneca no sofá a tarde, e agora chegou mais uma coisa pra te deixar mais feliz: o Italicast!

Já sabe, Italicast, agora, aos domingos! 

Além do Artigo completíssimo de tudo o que a gente falou aqui no Portal!

E Enquanto isso na Itália:

A Ora Legale ou horário de verão começou esta semana por lá no domingo, dia 29 de março.

No Brasil não tem mais, mas a Itália preferiu não abrir mão desta mudança de horário.

Quer saber como funciona este horário e por quê foi implantado?

Vou contar pra você.

E no Cidadania Italiana, Sim!

Uma pergunta que eu amo responder: é preciso fazer o passaporte italiano?

Eita fase boa! 

Já reconhecido ainda as dúvidas continuam, afinal o que fazer com documentos duplicados, né gente!

Se você já tem o seu passaporte brasileiro, precisa emitir outro? Precisa ter dois? Aliás, precisa levar os dois quando for viajar para o exterior?

Posso deixar pra fazer o passaporte italiano no Brasil?

Afinal, que força é essa que todo mundo fala que o passaporte italiano tem?

Esse assunto é muito legal e você vai ficar por dentro de tudo sobre passaporte para quem tem dupla cidadania neste episódio!

Tem uma palavra que ouvimos muito ultimamente e, pra variar, tem a ver com os italianos! Vamos conferir no QUIZ?

QUIZ

Hoje em dia estamos ouvindo frequentemente a palavra “quarentena”. Você sabia que ela foi aplicada, pela primeira vez, na Itália (que na época ainda não era Itália), mas foi em uma região muito conhecida por nós?

Então a pergunta de hoje é: 

Em que lugar da Itália a quarentena foi aplicada pela primeira vez?

  • a)  Roma
  • b) Gênova
  • c)  Veneza

A quarentena é um recurso usado há muito tempo para evitar que doenças se espalhem. Geralmente implica manter um grupo de pessoas separado e isolado do público em geral.

Não está claro de onde surgiu exatamente o conceito dos 40 dias, mas uma possibilidade é que tenha sido uma referência bíblica — a ideia de passar 40 dias e 40 noites no deserto como Jesus teria feito.

Com o tempo, a duração da quarentena foi encolhida, mas o isolamento continua sendo chave para limitar surtos de doença ao redor do globo.

E a resposta, você já sabe, no final!

ENQUANTO ISSO NA ITÁLIA

De 29 de março a 25 de outubro a Itália adota o Horário de Verão, que lá chamamos de “Ora Legale”.

Tem muita coisa interessante sobre isso e eu vou contar pra vocês.

Primeiramente, tenha em mente que a Itália está a leste do Brasil, isto quer dizer que lá eles estão à nossa frente no horário mundial e a diferença normal entre os dois países são de 4 horas (a mais na Itália, por exemplo: se são 12 horas no Brasil, são 16 horas na Itália) levando em conta, claro, o horário de Brasília. 

E essa é a primeira coisa que você vai sentir quando sair do seu país, a diferença de horário.

Mas por quê essa diferença de fuso horário existe e como foi definida?

Gente, tem até astronomia no programa hoje!

O fuso horário é baseado no tempo em que a Terra gasta para girar em torno de seu próprio eixo, começando o movimento de oeste para leste. Nosso planeta tem uma circunferência de 360º e são necessárias 24 horas para completar uma rotação, com um deslocamento de 15º (ou 15 meridianos) a cada 60 minutos. Portanto, cada fuso corresponde a uma hora.

E essa contagem começa no meridiano zero, que fica na cidade de Greenwich, nas proximidades de Londres. Existem 24 fusos horários e todos são medidos em GMT, ou seja, Greenwich Mean Time, conforme acordo firmado por 25 países em 1884. Os que ficam a leste adiantam uma hora; os que estão a oeste atrasam uma.

De qualquer modo, a diferença de fuso horário dá certo trabalho de adaptação quando se está em viagem ou mesmo para quem vai morar fora.

E muita gente tem problemas, com o famoso “jet lag”, quando o seu corpo demora para se adaptar com o novo horário, causando problemas, como alterações no sono e má digestão, por exemplo.

Uma coisa muito curiosa que acontece na Itália e na Europa de forma geral , é que os ponteiros do relógio mudam durante a madrugada!

Pois é, aqui no Brasil era sempre meia noite.

Mas lá, no verão, é adiantado uma hora às 2 horas da madruga, ou seja, para 3 horas.

Isso significa que a Itália ficará cinco horas à frente do horário de Brasília.

Quando acabar o horário de verão na Itália, no mês de outubro – chamado então de “Ora Solare”, acontecerá o inverso: às 3 da madrugada será alterado para 2 horas.

Claro que, a maioria, assim como a gente fazia aqui, acaba mudando o relógio quando acorda!

E por quê se chama “ora legale” na Itália?

“Legale” vem da palavra legge – que significa “lei” em português!

No passado, os dias da mudança de horário eram definidos de tempos em tempos, mas hoje, de acordo com as regras impostas pela União Europeia desde 1980, o processo foi simplificado pela definição convencional da entrada do horário de verão no último domingo de março e do retorno ao horário solar no último domingo de outubro.

O horário de verão foi introduzido pela primeira vez na Itália em 3 de junho de 1916, mas o horário de verão foi adotado sem nunca ter sido interrompido desde a lei 503 de 1965. 

A lei italiana previa o uso do horário de verão de maio até o final de setembro. Hoje, no entanto, o horário de verão começa dois meses antes.

A duração do período de verão mudou ao longo do tempo:

  • até 1980, durou 4 meses, do final de maio ao final de setembro;
  • de 1981 a 1995, durou 6 meses, do último domingo de março ao último domingo de setembro;
  • de 1996 até hoje, dura 7 meses, como vimos desde o último domingo de março até o último domingo de outubro.

A mudança de horário sempre ocorre a noite para causar o mínimo de inconveniente para as pessoas, por exemplo, o sistema de transporte não tem não tem sofre com a diferença se a mudança ocorrer entre 2 e 3 da madrugada.

No Brasil, o governo brasileiro aprovou o fim do horário de verão no país e desde 2019 não é mais praticado, com a justificativa que a medida não traz economia de energia e afeta o relógio biológico.

O horário de verão foi aplicado pela primeira vez no Brasil em 1931, durante o governo de Getúlio Vargas, com o intuito de economizar energia a partir do aproveitamento de luz solar no período mais quente do ano.

Na Europa, a prática de adotar o horário de verão foi criada para gerar economia de energia elétrica depois da Segunda Guerra Mundial e na crise do petróleo.

Porém, isso tem se tornado insignificante ao longo dos anos, devido aos avanços tecnológicos que necessitam de menos energia elétrica para funcionar.

O Parlamento Europeu já aprovou também o fim do horário a partir de 2021, porém, cada país membro da União Europeia poderá decidir se ficará com o horário de verão ou de inverno. 

A Itália disse não à abolição do horário de verão. O governo Conte entrou com um pedido formal em Bruxelas para manter a situação atual. Isso significa que na Itália continuará ocorrendo a mudança de horário duas vezes por ano, ou seja, no final de outubro e no final de março.

A Itália decidiu não apoiar o fim da ora legale por 3 motivos:

1) A primeira razão se refere à falta de uma visão clara das vantagens e desvantagens da mudança do tempo. De fato, não há evidências científicas de que as duas mudanças de fuso horário causem danos ao equilíbrio mental e físico, por isso preferiu manter as coisas como estão;

2) O segundo motivo é econômico: o horário de verão, explica o documento, permite uma boa economia de eletricidade, igual a 100 milhões de euros por ano;

3) Por fim, a Itália teme que deixar a última palavra aos Estados-Membros sobre a manutenção ou não da taxa de câmbio possa agora criar confusão e desequilíbrios no funcionamento do mercado interno devido a um mosaico de fusos horários.

Mas, mas não posso deixar de falar sobre um inconveniente:

As dificuldades que temos para conversar com a nossa família e amigos que estão no Brasil!

Gente, falando assim pode não parecer, mas cinco horas de diferença é muito tempo!

Imagine você: quando na Itália é meio-dia, no Brasil são 7 horas da manhã!

Ou seja, quando estamos almoçando, no Brasil as pessoas ainda estão acordando, ou se preparando para ir trabalhar!

Então basicamente é impossível falar com alguém no Brasil, durante a manhã na Itália. E vice versa!

Quando as pessoas saem do trabalho no Brasil, depois das seis da tarde, já são 11 horas da noite na Itália.

E isso dura a maior parte do ano – de 12 meses, somente em 5 a diferença é de 4 horas, pois agora não temos mais o horário de verão.

De qualquer forma, a ora legale inaugura um período em que a itália fica ainda mais linda: a primavera. 

E eu volto pra falar sobre esta estação e o que os italianos amam fazer por lá em outro episódio!

CIDADANIA ITALIANA, SIM!

Preciso fazer o passaporte italiano?

Esta é uma pergunta super comum para quem já foi reconhecido como cidadão italiano oficialmente, ou seja, já fez todo o processo, e agora está perdido com tanta documentação nova que precisa emitir.

Nós já falamos sobre os documentos do cidadão italiano no episódio #17 e #18, mas deixamos fazer um conteúdo especial só sobre ele, que no caso, é hoje!

Fabio, se eu já tenho o passaporte brasileiro e uma carta d’identitá provando que sou italiano,  tudo bem se eu não ter este passaporte?

Ou se você já emitiu o passaporte na Itália, precisa levar os dois quando for viajar para o exterior?

E fazer no Brasil, é mais fácil, mais barato, posso deixar para fazer um dia por aqui caso eu não queira morar na Itália?

Antes de mais nada nós temos que identificar neste tema duas situações.

Primeira situação: você acabou de ser reconhecido e o seu processo foi feito em algum Consulado Italiano no Brasil. Ou seja, você nunca saiu do Brasil e fez tudo pelo Consulado, então o único documento que você terá emitido por aqui que comprova sua cidadania será o seu passaporte italiano. como já falamos em outros episódios do Italicast, nos consulados italianos no Brasil eles não emitem a carta d’identità.

Segunda situação: você fez o seu processo na Itália, foi reconhecido, então lá você tem também a opção de solicitar o seu passaporte italiano além dos outros documentos.

Viram a diferença? 

No Brasil, o único documento que você pode solicitar é o passaporte italiano, enquanto na Itália você pode ter a opção de solicitar a carta d’identità, porque ela serve, na Europa, também como documento de viagem. Já falamos sobre este tema no Italicast #18.

 “Fabio, mas você ta me dizendo, então, que eu não preciso do passaporte italiano?”

Calma, vou explicar!

Eu, por exemplo, não fiz imediatamente o meu passaporte italiano quando fui reconhecido, porque eu ia viver na Itália, então eu não precisava gastar cento e poucos euros por um documento que eu não ia precisar no momento, pois dentro da Europa eu poderia viajar tranquilamente com a carta d’identità. Viram a diferença?

Eu só acabei fazendo o passaporte italiano porque eu tive um problema complicado – tinha uma brasileira querendo me prejudicar e eu não sabia o que poderia acontecer na minha vida. Então fiz, porque se eu tivesse que sair correndo e encontrar o meu pai que mora nos Estados Unidos – no caso dela querer me matar – eu poderia ir pra lá sem problemas (sim, isso passou pela minha cabeça).

Então, resumindo, se você está na Itália, concluiu seu processo e pretende continuar na Itália, não precisa sair correndo pra fazer o passaporte italiano como prioridade antes dos outros documentos.

Mas, por outro lado, se você está na Itália, fez seu processo e pensa em sair da Itália pra qualquer outro país ou voltar para Brasil, por exemplo, te aconselho a fazer o passaporte italiano, sim, com os demais, porque você já está na Itália!

Basta você ir até a questura e fazer o pedido, pois o seu passaporte italiano vai ficar pronto em, no máximo, 30 dias. Em alguns comunes, às vezes, fica pronto em até dois, três dias. Então não saia da Itália sem fazer este documento!

Sobre o tema “Viajar com a dupla cidadania” eu vou fazer um vídeo novinho e específico sobre isso. Aliás, tem um vídeo antigo no nosso canal do Youtube, mas eu vou fazer um novo pra explicar na prática como é, se você vai precisar levar os dois passaportes e outras dúvidas sobre como usar no Brasil e na Itália, ok!

Bom, o recado que eu queria dar aqui neste episódio é: se você está na Itália, ou vai fazer o seu processo lá, terminou, fez tudo direitinho, obteve a cidadania, então saia de lá com todos os documentos que você puder, incluindo o passaporte italiano, tá bom!

Vamos pro divã responder as perguntas que podem ser a sua também!

DIVÃ DO FABIO

  1. Com o processo de reconhecimento feito na Itália, posso pedir o passaporte italiano no Brasil? Glauber Eduardo da Silva

Pode, mas, como já expliquei neste artigo, não recomendo!

Se puder, faça na Itália, é mais rápido.

  1. Fabio, pode fazer o passaporte italiano em outro comune que não foi feito o processo de cidadania? Joseane Moura

Sim, pode, mas não é recomendável, porque aqui vai precisar de um trâmite burocrático a mais, chamado “nulla osta”, ou seja, um “nada consta”.

Por exemplo: vocês moram numa cidade você está fazendo o pedido em outra, então essa questura onde você está pedindo, vai ter que entrar em contato com a primeira onde você tem o endereço de residente pra consultar se a sua situação está em ordem lá. Isso se eles não se negarem a fazer o pedido o recebimento do seu pedido pelo fato de você estar no local onde você não é residente.

Então eu não poderia dizer que não dá para fazer, porque dá, mas… pode demorar meses, algo que demoraria algumas semanas se fizesse diretamente na questura onde você é resistente, ok!

  1. Fabio, primeiramente parabéns pelos seus vídeos.  Fui à Itália e requeri minha cidadania. Mas vim embora pro Brasil e não dei entrada no passaporte italiano.  Fiz mal, pq aqui nunca consigo marcar. Voltarei esse ano e queria saber se eu consigo fazer lá. Tenho documento de identidade italiana e tenho tb amigos q moram e posso ter endereço. Já fiz a troca de endereço no AIRE pro Brasil.  Eu consigo fazer meu passaporte lá na Itália quando voltar? Obrigada! Fátima Inhan

Na verdade a resposta é a mesma da . Sempre que você solicitar alguma documentação onde não é residente vai precisar de um “nulla osta”. Então imagine que a questura na Itália onde você fizer o pedido vai pedir um “nulla osta” para o Consulado Italiano aqui no Brasil, que pode demorar meses para responder.

Vou pedir licença aqui e aproveitar essa pergunta para ilustrar uma situação, ok?!

Pensem nisso: alguém que diz o seguinte: “Ah, eu não quero fazer na Itália porque vai demorar mais 15 dias!”

Olha o caso da Fátima, ela pode levar um ano para conseguir um passaporte italiano que conseguiria lá na Itália em 15 dias!

Perceberam que não vale a pena você querer trocar algo que já está ali, na mão, simplesmente porque seu pensamento é “depois eu penso nisso”! Deu pra entender?

Então, por favor, prestem atenção porque isso é muito importante.

Você pode querer evitar uma espera de 15 dias e depois ter que aguardar meses!

E este assunto é tão importante que no Portal temos vários artigos que depois eu vou deixar na descrição para vocês.

Aliás, quem tiver alguma dúvida, pode deixar lá também.

A próxima respondida aqui pode ser a sua!

RESPOSTA DO QUIZ

Em que lugar da Itália a quarentena foi aplicada pela primeira vez?

  • a)  Roma
  • b) Gênova
  • c)  Veneza

E acertou quem escolheu a opção “C”, Venezia.

Quando a peste negra se espalhou pela Europa durante o século 14, Veneza aplicou uma regra em que navios tinham que ancorar por 40 dias antes que a tripulação e passageiros pudessem desembarcar.

O período de espera foi denominado “quarantino”, que deriva da palavra em italiano para o número 40.

Não está claro de onde surgiu exatamente o conceito dos 40 dias, mas uma possibilidade é que tenha sido uma referência bíblica — a ideia de passar 40 dias e 40 noites no deserto como Jesus teria feito.

Lá surgiram os primeiros “lazaretos”.

Uma estrutura pública que abrigava os contagiados pela peste bubônica.

A palavra lazareto deriva de Nazarethum, nome pelo qual era vulgarmente conhecida a Ilha de Santa Maria de Nazaré. Lá, em 1423, a República de Veneza fundou o primeiro lazareto da História, com o objetivo de afastar os doentes do convívio da população sadia e combater a peste.

A peste chegou à Europa vinda da Ásia em 1347. Isso te lembra algo?

A “Morte Negra” consumiu um terço da população europeia, levando governos a pensar em como proteger suas populações. Algumas cidades criaram estruturas para isolar os contagiados.

Veneza, muito exposta às epidemias por causa de seu intenso tráfego comercial e atividades navais, foi a primeira a idealizar um lugar onde colocar os infectados que vinham de países onde a doença estava presente em 40 dias de isolamento total do mundo externo, como já contamos, a chamada “quarentena”.

Na época, era o tempo considerado necessário para purificar o corpo da enfermidade.

Antes das primeiras epidemias de peste, a República de Veneza já tinha criado estruturas para evitar que a população fosse atingida por doenças contagiosas.

A primeira foi construída na Ilha dos Armênios, que desde o século 12 contava com um leprosário, para doentes de hanseníase.

Mas foi somente em 1423, após uma devastadora epidemia de peste, que o Senado veneziano criou o abrigo público para os contagiados, com médicos e enfermeiros pagos pela República.

Além disso, capitães dos navios e marinheiros foram envolvidos nas políticas de prevenção, com a ordem de recolher qualquer notícia que pudesse levantar a suspeita de casos de peste a bordo.

Em caso positivo, as embarcações teriam que se manter em isolamento antes de desembarcar tripulação, passageiros e mercadorias.

Os lazaretos oficiais de Veneza estavam localizados em duas ilhas. O Lazareto Velho, utilizado para pacientes com suspeita de peste, e o Lazareto Novo, onde ficavam as pessoas com evidentes sintomas da doença. Durante os momentos de pico das diversas epidemias que varreram a Europa, o governo de Veneza instalava na lagoa, longe das ilhas habitadas, navios-lazaretos, hospitais-guetos onde um maior número de doentes podia ser internado.

Durante os surtos, os lazaretos se enchiam rapidamente de doentes – e que, infelizmente, devido à falta do avanço da ciência na época, se tornavam cadáveres em poucos dias. Em muitos casos, as precárias condições higiênicas dos lazaretos favoreciam, e não evitavam, o contágio. Até os médicos acabavam afetados pela doença, contaminando a população sadia.

Foi justamente a necessidade de prevenir os contágios que fez com que os lazaretos fossem construídos fora das cidades. De preferência em lugares isolados e de difícil acesso. As ilhas perto dos portos foram as preferidas.

De Veneza, o modelo hospitalar público dos lazaretos e as operações extensivas de prevenção se difundiram rapidamente, sendo replicados em muitas cidades no Mediterrâneo e na Europa continental.

Há muitas e muitas histórias em relação a este tema e uma das coisas mais curiosas desta época eram os “doutores da peste”, que se vestiam com uma túnica longa de tela preta, espessa como uma armadura, luvas até os cotovelos, sapatos fechados e um chapéu muito largo.

Como instrumento de trabalho, um cano longo para auscultar os pacientes. E, finalmente, o elemento mais característico, usado por muito tempo: uma máscara branca com furos para os olhos cobertos por vidro e um longo bico curvo e vazio de 40 centímetros totalmente assustadora. 

FINAL

Antes de mais nada eu preciso reforçar aqui que este Italiacast foi gravado num momento bem difícil na Itália e todo o mundo, como vocês sabem, por conta do Coronavírus. 

Então fica aqui o nosso apoio:

Força e coragem, Itália! Estamos juntos nessa causa!

Essa fase difícil que veio do nada, que matou tanta brava gente, vai passar!

Todo o nosso apoio à vocês, somos todos italianos!

E lembrem-se: Andrà tutto bene – vai ficar tudo bem

Não é isso que vai mudar nossos planos, nossos objetivos!

Assim como já enfrentamos tanta coisa, tantas epidemias, febres, a Itália vai permanecer em pé, pois os italianos são bravos, corajosos e sabem, como ninguém recomeçar!

Assim como os nossos antenatos – e a gente sabe o quanto eles foram corajosos – com essa capacidade absurda e incrível de se reinventar, né!

Os nossos “dante causa” italianos, os nossos antenatos, fizeram isso.

Eles saíram de uma situação que era também tão difícil como essa, talvez, que estamos vivendo, e vieram para algo totalmente desconhecido.  

A gente conhece vários relatos de pessoas que morreram no navio durante a travessia; pessoas que foram contaminadas com os mais absurdos tipos de doenças e ainda assim eles persistiram contra tudo e contra todos! Contra a fome, contra doenças que adivinham do consumo exagerado de batata como acontecia no Vêneto; enfim, quanta coisa aconteceu e passou…

Quando a gente vê aquelas fotos das pessoas aglomeradas ali, na frente do Porto de Gênova, para poder pegar o navio para vir para o Brasil ou outro lugar… quantos pensamentos não passaram pela cabeça dos nossos antenatos… quantas coisas eles viram ali, quantas mortes não presenciaram, quantas “desgraceiras”, como diria a minha mamãe, eles não passaram e ainda assim persistiram!

Aí, como se não bastasse tudo isso, antes da vinda de uma Itália devastada por um monte de coisa, pela fome… porque, imagine você, ter que largar o seu país, largar a sua história, largar tudo, porque você não tem o que comer, porque você não tem como dar um futuro melhor para sua família… você tem noção do que foi isso foi que os nossos antenatos fizeram?

Eles saíram das suas casas, eles pegaram as poucas coisas que tinham, foram até um porto, chegando no porto eles viram as condições absurdas das pessoas ali, mendigando comida para poder atravessar para outro continente… e quando embarcaram no navio eles passaram semanas em condições sub humanas, fome, doenças, miséria… e, mesmo assim, eles persistiram!

E daí, quando chegaram no país destino, eles se viram, de repente, em uma cidade, ou no campo e disseram “e agora, vamos recomeçar”, sem saber o que aconteceria.

Eles simplesmente foram e ainda assim deu tudo certo…

Então essa é a mensagem! A mensagem que nós recebemos dos nossos dante causa, dos nossos antenatos: por pior que seja a situação, por mais difícil que pareça e por mais que a gente não consiga ver uma “luz no fim do túnel”…isso vai passar!

E eu espero que sim!

Você em algum momento – sem julgamento aqui, tá – reclamou pelo fato de ter que ficar em casa? Porque “Pôxa vida! É chato ficar em casa, tão difícil, sendo que eu preciso fazer coisas na rua”!

Lembre-se que o seu único “trabalho”, seu “problema” é ficar em CASA!

Os nossos italianos não tinham casa, ou as que eles tinham, deixaram…

Então veja por esse lado, veja por essa perspectiva!

Do que é que a gente ta reclamando?

Muitas vezes a gente tá reclamando porque a gente tem que ficar com a nossa família em casa, porque é chato ficar com os nossos filhos em casa, porque a gente não dá conta de ficar com o marido ou a esposa em casa…

Sério?

Sério que esse é o grande problema da nossa vida?

Um problema que a gente entende que vai durar algumas semanas ou, talvez, alguns meses, mas a gente tem a plena e absoluta certeza que vai passar?

Volte 150 anos no tempo!

Lembre-se do seu antenato italiano que tinha a mesma casa que você tem hoje… ele tinha um teto, mas ele não tinha comida…ele viu os filhos passando fome a ponto de largar tudo o que tinha para sair de uma situação e buscar uma vida melhor.

Ninguém disse para eles “olha, daqui a 15, 20 dias, um mês, a quarentena vai acabar e vocês vão ter a vida que você sempre tiveram”… eles não tinham sequer essa expectativa e fizeram, mesmo assim, porque sabiam que não fizessem isso o futuro seria pior.

Hoje, nós estamos fazendo algo consciente de que o nosso futuro vai ser melhor e, ainda assim, às vezes, a gente reclama da vida porque “tem que ficar em casa”, porque a gente tem que ficar a um metro dos nossos entes queridos, porque a gente não pode mais ir ver os amigos ou frequentar os nossos bares… enfim, as coisas que nós costumamos fazer… 

Nesses momentos, lembre-se disso! Dos nossos antenatos italianos… quem sabe essas lembranças façam você perceber que todas as lamentações que a gente está tendo hoje não fazem absolutamente o menor sentido!

Porque tudo isso vai passar e vai ficar tudo bem! 

Então hoje quero terminar com outra frase: Andrà tutto bene!

Coloque isso no seu coração e fique bem!

COMO ACOMPANHAR O ITALIACAST

Escolha abaixo como acompanhar o Italia Cast:

Apple | Spotify | Deezer | Link Geral | Youtube

GOSTOU DO ITALIACAST?

Todos nossos esforços estão voltados para te ajudar, através do compartilhamento do maior número de informações a respeito do nosso querido país.

E este é um canal de mão dupla: nós prometemos te entregar o nosso melhor, e em troca você compartilha suas impressões, experiências, feedback e comentários conosco.

Por isso te pedimos duas coisas:

1 – Deixe sempre um comentário abaixo do episódio (seja no Youtube, Podcasts ou aqui mesmo no Portal) para que saibamos as suas impressões

2 – Compartilhe com o maior número de pessoas que você conhece, assim você nos ajuda com nosso propósito que é atingir o maior número possível de pessoas, combinado?

Então bóra compartilhar este episódio nas suas redes sociais, basta utilizar os botões abaixo 😉

limite de gerações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.